Crónica sobre uma caderneta de cromos

O J. queria uma caderneta de jogadores da bola e pediu-a à mãe. Mas a mãe, que percebe tanto do assunto como eu, enganou-se e comprou uma qualquer. O J. encolheu os ombros, disse que não fazia mal e tratou ele do assunto. Pegou em folhas, tesoura, cola, marcadores e deitou mãos à obra: fez a caderneta. Agrafou as folhas, fez os quadrados para colar as caras dos jogadores, desenhou os cromos, recortou-os, guardou-os numa bolsinha também feita por ele e entreteve-se a colá-los. (…)

Continuar a ler a crónica de Maria João Lopes aqui.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s